29/10/2019

Oportunidade para aprender, evoluir e crescer

No lugar certo e na hora certa
Para a Chamfer , a oportunidade de participar da segunda fase do programa Fábrica + Produtiva, promovido pelo PICPlast, não poderia ter vindo em um melhor momento. A empresa está passando por uma total reestruturação, tanto na parte humana quanto em sua infraestrutura. Com sede em Cotia, São Paulo, a companhia está há 33 anos no mercado de soluções para diferentes setores da cadeia do plástico. Nesse novo momento, busca aproveitar as mudanças de layout e a aplicação de tecnologias com equipamentos de última geração, no intuito de focar no desenvolvimento das capacidades técnicas e intelectuais de cada colaborador.
Segundo o diretor Antonio Carlos Falco, inovação e diversificação sempre foram pontos determinantes para a criação de novos produtos. Para o executivo, o sucesso dessa fase da Chamfer tem como base o apoio massivo dos colaboradores: "Essa é uma nova era para nós, com novos conceitos de visão, valores e filosofia. Conseguimos um engajamento pleno de nossos colaboradores, e temos como objetivo desenvolver em cada um deles suas habilidades e capacidades, formando cidadãos que possam atender não só às demandas da empresa, mas também que consigam contribuir para a construção de uma sociedade melhor".
Antonio Carlos afirma que a Chamfer ficou muito feliz e honrada com a indicação do PICPlast para participar do Fábrica + Produtiva , e que a empresa já está colhendo os frutos dessa participação. "Por meio do programa, adquirimos conhecimento e trocamos experiências. Isso nos incita a pensar e agir fora do nosso contexto usual, gerando, assim, muitos benefícios para a empresa e o setor como um todo".

Transformadores mais preparados para a Indústria 4.0

Em sua segunda fase de implantação junto aos transformadores participantes do PICPlast, o Fábrica + Produtiva é fruto de uma parceria com o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), e tem como objetivo servir de alicerce para que os transformadores possam se preparar para enfrentar os novos desafios do mercado brasileiro em meio aos avanços da Indústria 4.0.
Na opinião da diretora do Núcleo de Atendimento Tecnológico à Micro e Pequena Empresa do IPT, Mari Katayama, as empresas associadas ao Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico se mostram hoje mais atentas a pontos que definem a competitividade do mercado, como a produtividade e a redução de custos: "Esses assuntos fazem parte do dia a dia e estão povoando a cabeça dos empresários. Dá para ver que o discurso sobre competitividade está presente em todos os segmentos do plástico. Estamos em plena quarta Revolução Industrial, e a necessidade de modernizar e saber utilizar essas ferramentas é uma questão de sobrevivência".
Para a Mari, a mudança de cultura e comportamento empresarial são fatores positivos para a cadeia. No caso da Chamfer, a meta agora é conseguir adequar as recomendações do programa aos conceitos da empresa: "Nossa filosofia consiste em crenças fundamentais, que incluem o progresso à família, a determinação e a alegria em crescer. Nosso maior desafio é consolidar e perpetuar os ganhos obtidos e manter acesa a chama para fazer cada vez mais e melhor do que o dia anterior", finaliza Antonio Carlos.