Indústrias do plástico do Rio de Janeiro se adaptam para fabricar EPIs

03/04/2020

As indústrias de plástico do Rio de Janeiro uniram-se para adaptar suas produções em prol do combate ao novo coronavírus. É o que mostra a reportagem da Globonews, veiculada no dia 1º de abril. De acordo com a matéria, o foco é na produção de protetores faciais, que fazem parte dos chamados equipamentos de proteção individual, os EPIs. Em menos de uma semana, uma fábrica fluminense já produziu 72 mil máscaras que foram distribuídas para hospitais particulares e públicos do estado, e também para outras regiões.

A ideia de acionar as indústrias para a produção destes equipamentos surgiu após a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, Firjan, perceber que a produção de máscaras a partir do projeto para impressora 3D, desenvolvido por pesquisadores de universidades do Rio, não estavam dando conta da alta demanda. Segundo Gladstone dos Santos, presidente do Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro, SIMPERJ, com a impressão 3D só era possível produzir 10 máscaras por dia. "Ao conectar essa boa ideia à indústria, que conseguiu dar uma resposta muito rápida, hoje a gente consegue produzir 120 mil máscaras por dia em uma unidade fabril", explica Santos.

Os equipamentos de proteção individual são fundamentais para evitar, por exemplo, que médicos e enfermeiros se contaminem ao cuidar de uma paciente com a covid-19. A Associação Médica Brasileira já recebeu mais de 2.500 denúncias de falta de EPIs em hospitais de mais de 525 municípios pelo Brasil. Só no estado do Rio de Janeiro, 64% das denúncias revelam falta de óculos ou de protetores faciais.

Veja matéria completa em: https://g1.globo.com/globonews/jornal-das-dez/video/industrias-do-rj-se-adaptam-para-fabricar-equipamentos-de-protecao-individual-para-a-saude-8447489.ghtml